Doutora Letícia,

Estou lhe escrevendo esse bilhete porque comprei uma rede e pus em meu quarto na tentativa de acalmar os meus nervos que andam a flor da pele, mas nem mesmo o seu balanço – que me lembra o de uma jangada seguindo pelo mar – conseguiram fazê-lo. É como já lhe disse diversas vezes em nossas constantes sessões: as gavetas de minha antiga cômoda amadeirada (aquela que você muito apreciou em sua visita a minha residência) estão cheias de problemas que deixei para resolver mais tarde. Tantos… Que até comprei um daqueles remédios que você me indicou em nossa última conversa, só pra ver se os esqueço enquanto durmo. Difícil, eu sei, mas a gente tenta, não é?

Nunca lhe contei, doutora, até porque achei que fosse só uma fase, mas não foi. Faz um bom tempo que a minha maior vontade é dormir em paz, ou melhor, dormir! Não consigo! É impossível! Você sabe o porquê, doutora, me lembro muito bem que lhe revelei em uma de nossas conversas. Em qualquer lugar da casa, ou fora dela, ainda posso ouvir os restos dela (que estão dentro daqueles sacos de lixo nas gavetas da cômoda) implorar pela paz de su’alma. Já gritei, mas ela não me ouve; já tomei aqueles remédios e ela aparece em meus pesadelos. Vejo-a nos reflexos, ouço sua voz em tudo o que produz sonoridade, às vezes – muitas! – sinto-a me seguindo pelos lugares. Você acha que eu estou enlouquecendo, doutora? Acha que internamento ajudaria? Ou algum remédio mais forte? Qualquer um… Eu tomaria! Sem reclamar. Prometo. Ou você acha que só a morte seria um lugar seguro agora? Que só com o suicídio eu teria paz, e ela também…

Sei que está de férias, mas me responda o mais rápido que puder. Por favor.

Com angústia, seu paciente,

Leandro.    

Anúncios

2 opiniões sobre “Doutora Letícia,

  1. illana, lembrei de tantas coisas.. estava lendo um livro que falava justamente dessa angustia em saber se é o não loucura.. fico me penguntando quem é de fato normal. se colocassemos todos os nossos medos e receios e traumas e paranóias numa balança, veríamos que o “normal” não existe. exceto por fora. a gente quer parecer normal…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s