poema de fim de ano, ou readmissão .

Foi um ímpeto.

Um instante.

Uma eternidade, 

dessas que costumam durar um segundo. 

O seu olhar

me atravessou,

atravessou tudo o que os livros de biologia ensinam

e chegaram até onde a religião sempre quis estar.

Foi um segundo,

e aquele sorriso foi o bastante pra me mostrar

que eu estava errada em muitas coisas.

Mas, eu realmente estava?

Não sei,

mas ainda prefiro acreditar em minhas concepções

do que em comédias românticas.

Mas, o seu olhar,

o seu sorriso,

naquele segundo

ou naquela eternidade

(entenda como quiser)

me abalou,

me desnorteou.

e eu que tinha resolvido aposentar o amor,

me vi obrigada a readimití-lo mais uma vez.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s