nota de fim

Morreu.
Morreu de morte morrida,
como acontece com as flores e com os carmas.
Morreu
porque tudo morre, tudo seca
com o sol.
Morreu
dentro e fora de mim,
e foi velado pelo sereno
da madrugada.
Morreu
e deixou refletir todo o pôr do sol
no escorrer dos seus dedos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s