O primeiro filme que indicarei: HER

layout20150901120145

TÍTULO ORIGINAL: Her

GÊNERO: Comédia dramática, ficção científica, romance

DIRETOR: Spike Jonze

ANO DE PRODUÇÃO: 2013

NOTA IMBb: 8,0

Há algo sobre mim que eu não disse: não tenho preferência por gêneros cinematográficos ou qualquer outro (mas eu já tinha dito isso no meu perfil a respeito da música).

OBS.: em alguns momentos podem haver spoilers, so sorry, mas é que eu sou muito afobada – termo baiano pra designar gente inquieta, agitada.

HER é um filme que me encantou, já assisti ele há algum tempo e foi o primeiro filme que quis indicar, já que estamos numa plataforma virtual achei pertinente. Acho ele bem atual (apesar de não ser antigo, é de 2013) porque fala muito da nossa vida apegada ao celular e às tecnologias. Uma vez ouvi de alguém a expressão “geração cabeça baixa”, de alguém que não gosto muito, mas achei ela excelente pra falar da minha – possivelmente, da nossa – geração, já que estamos constantemente de cabeça baixa mexendo, olhando o celular. Os elos estão muito virtuais, pouco profundos, há muita efemeridade na nossa vida. Isso é muito clichê, mas estamos esquecendo de viver a realidade para viver a virtualidade e, muitas vezes, perdemos a possibilidade de desenvolver intimidade no plano real por estarmos conectados ao mundo virtual. HER não fala exatamente disso, na verdade traz muito mais a possibilidade de relacionamentos híbridos, nesse caso de humanos com sistemas operacionais (S.O.).

O carinha – Theodore – se apaixona por um sistema operacional de voz feminina – Samantha -, que tem a capacidade de ser espontâneo e de interagir com as pessoas. Em um momento do filme, Samantha propõe a Theodore um encontro, dele com outra mulher (que finge ser Samantha) para que de algum modo a relação entre eles se torne mais profunda, o que acaba sendo um “fiasco”.

É um filme excelente que consegue transmitir sensações que cabem perfeitamente para pessoas que têm contato com tecnologia, mesmo que pouco. A minha recomendação é porque HER fala muito sobre a complexidade das relações, sentimentos e emoções humanas.

HER no fim das contas, diz que, enquanto seres humanos, não podemos ser substituídos.

Anúncios