Decadentista

Nunca serei o que realmente quero ser
a vida é cruel demais com quem segue
seus sonhos.
O melhor é afundá-los na mala
e rir entalada com o sufoco do falso sucesso.

Nunca serei o que realmente quero ser,
sou uma ovelha
e sigo o meu rebanho.
Reconheço o meu lugar
e não é em revoluções,
em palanques
ou escrevendo.

O meu lugar é no senso comum.

Anúncios

perspectiva

Dentro de mim há um profundo abismo.
Eu baratino em busca de compreensão
e só encontro luz.

Vejo, com olhos de dor, que a vida é mais
do que o sangue, o medo e a solidão
insistem em mostrar.

Ponho tête-à-tête luz e sombras
e me atrevo a cegar-me na luz.
[A duras penas confesso
que é a dor mais serena que sinto]

Descortino a verdade com peso no coração:

Fora do abismo há vida.
Dentro de mim é que não havia.

“HANNIBAL, o canibal”: a primeira série que indico

IMG-20150907-WA0049

Gênero: crime, drama, suspense

Criado por: Bryan Fuller

Ano de produção: 2013-2015

Atores e atrizes principais: Hugh Dancy, Mads Mikkelsen, Caroline Dhavernas,Laurence Fishburne, Gillian Anderson, Kayce Rohl, Gina Torres, Raul Esparza, Lara Jean. Katherine Isabelle

Status: Cancelada/Finalizada

Nota IMDb: 8,6

 

Gente, acabei de assistir Hannibal!!!!! OMG… Olhem, que final viu?! EX-CE-LEN-TE! Inclusive, quem me indicou essa série foi a tal da Illana, mas no fim – quer dizer, no inicio! – ela arregou –‘ (acho que ela não passou do sexto episódio, e, se chegou lá, assistiu bastante). Prometo que tentarei não dar spoiler algum.

Primeiro: porque vocês devem assistir Hannibal? Porque é uma série inteligente, faz você pensar e se apegar aos detalhes, as coisas sutis… O importante está nas entrelinhas. Segundo: porque séries com psico/sociopatas são as melhores – não sei explicar concretamente qual a diferença entre psico e sociopatas, apesar de já ter pesquisado e visto que essa diferença não é muito relevante, creio que há diferenças sim, mesmo que sutis – vide DEXTER (amooo e estive viciada por um tempo, mas tenho muita vontade de assistir de novo *.*). Foco, foco, foco…! Estou falando de Hannibal. Terceiro: as imagens são INCRÍVEIS, que produção!

A primeira temporada é bem pesadinha, principalmente os episódios iniciais; a segunda é intrigante , a gente fica se perguntando o que Hannibal quer com Will – que me parece, algumas vezes, um menino bobo e ingênuo, mas não é! Will me encantou, acho Hugh Dancy ótimo ator – uma gracinha com aquela barba “estilo desleixado” – me lembro dele de cueca hahaha. Ao longo da série ele não conseguiu me fazer desgostar dele – falo de Will – ao contrário de Jack,  um sacana manipulador; a terceira temporada deixa a desejar até os últimos episódios, acho fiquei com uma expectativa muito grande com o final da segunda temporada, que foi MUITO BOM, EXCELENTE e, se me perguntarem qual foi a season finale que eu mais gostei, não saberei decidir entre os da segunda e da terceira temporada. Na verdade, o da segunda lhe deixa com uma grande incógnita na cabeça e o da terceira lhe dá uma sensação de alívio. Uma pena que a série foi cancelada… Hannibal é muito bom – em breve falarei da quadrilogia que originou a série, os filmes são muito bons, apesar de serem pesados.

Não sei mais o que falar da série, assistam ela é very, very good!

 

Por fim, fica como indicação de leitura o texto de Keith Uhlich, da BBC, “Porque a TV não está pronta para o horror explícito de Hannibal?” Cliquem aqui para ler!

Pompéia

Queria falar mais do que posso,
meu coração balbucia
[em segredo]
e a minha cabeça insiste em dizer
que o silêncio é a melhor opção.

Nunca gostei do silêncio e de me calar
diante dos nervos eufóricos
que querem pular de mim.

Sou como um vulcão, amor,
e você é como um mar.

Quando eu entro em erupção
suas ondas engolem minha lava
e todo o meu poder de fogo
se dissolve
no sal do seu amor.

Terror noturno

A eternidade se prende a seis curtos minutos.
Quando o horror nos domina é assim:
o tempo passa com dureza.

Pior que a dureza do tempo, era a maciez
das mãos
que me prendiam, me agarravam.
Nada de bom pode vir de mãos fortes e macias.
Nada de bom.

Quando o horror nos domina é assim:
o belo cobre seu reflexo.

No suor matinal, tive certeza que a realidade
não fazia parte
do meu juízo perfeito.

Eu não tinha o juízo perfeito.
Quando o horror nos domina é assim…

Tenho que aprender a engolir meus medos.